Posted in Crônicas

Uma lembrança para refletir

Desta vez o baú não perdoou, mesmo!

Uma lembrança para refletir Posted on 17 de dezembro de 2017

Amante das letras, da música e da fotografia. Criador do site Na Companhia do Café e autor de todos os textos postados aqui.

Há muitos anos atrás, e quando eu digo muitos falo de 10 pra cima este Blog foi criado, mas meses depois foi enterrado pois havia me casado pela segunda vez. Trabalhava muito e dava mais atenção a minha esposa, meu casamento e meu trabalho. Mas a ideia nunca morreu tanto que mantive guardada a matriz do site e os arquivos em Word onde eu escrevia o rascunho dos artigos. Depois de tantos anos abri este artigo e senti um arrepio na espinha pois se passava numa época em que eu estava terminando uma longa relação de 7 anos. Triste com os erros que cometi com ela resolvi compartilhar a minha dor e também a minha experiência. Aos poucos conforme ia escrevendo fui dando vida a uma diferente inspiração. Este artigo foi escrito em 09/06/2006. Confira.

Sei que muita gente pensa que eu sou muito metido a ser proprietário das pessoas que eu gosto. Mas não é verdade. Nunca quis fazer aquilo que eu não quero que façam comigo. Sei que cuidar demais de quem a gente gosta muitas vezes para nós faz com que exageremos demais em alguns gestos, como querer ter sempre aquela pessoa sempre perto de nós e acabar por perdê-la logo depois.
Mas não tiro a razão dessas pessoas, mesmo porque a grande maioria delas são até bem próximas de mim. Ás vezes sou sim uma pessoa um tanto possessiva, mas consciente de que isso vai trazer o ônus depois. E nesses últimos meses vi que isso tem um preço muito alto. Pode acontecer das mais diversas maneiras de o resultado aparecer de uma forma bem indesejável. Uma delas é fazer com as pessoas pensem que você é um egoísta.

Outra forma pode trazer para sua vida que pode te custar mais do que uma simples dor de cabeça: A perda definitiva dessa pessoa a tal ponto que a palavra perdão pode não significar nada porque a razão está nas mãos dela agora.
Mas isso não quer dizer que possessividade pode ser por um só motivo, pode ser por outros, claro. Querem um pior? Desconfiança! É desconfiança. É o mais cotado até agora pela crítica. E desconfiar de uma pessoa que nunca te deu motivo nenhum é o pior deles. E o resultado dessa desconfiança me ensinou muito e digo pra vocês: Nunca, mas nunca desconfiem de alguém que nunca te deu motivo algum!

Dependendo do quanto você gosta dessa pessoa a lei do retorno vai acontecer e vai fazer a sua vida virar de ponta cabeça. Quando cometemos um erro como esse causamos na pessoa que gostamos uma mágoa de difícil cura e foi o que aconteceu. Não gosto nem de lembrar pois também, descobri que dói mais em nós, os culpados, do que na outra pessoa, a inocente da história. A consequência é imensurável, meus amigos, de tal forma que fará com que você reflita sobre isso por horas, seja a noite ou ao dia. Depois que você reflete sobre o que você fez tem que dizer pra si mesmo: É uma vez e deu! Certo, mas de repente você comete o mesmo erro de novo. Gente, muitas vezes nessa vida temos que ser mais drásticos consigo próprio nesses momentos, pois, quando se comete um erro é uma vez e não cinco ou seis! Você já sabe o que acontece, o peso da consequência e todo o resto. Pra que vamos cometer sempre o mesmo delito com aquela pessoa, que vc quer bem, que vc ama?

E principalmente quando você se dá conta pelas lágrimas que você tira daquela pessoa que é recíproco. Aí vocês me dizem: Mas seu Emanuel, eu bem que tento, mas não dá! Sou inseguro demais e aqueles amigos. Pô, “péra” aí! Então o erro não é ela, é você. Se o erro não for o mesmo, aí tudo bem! Mas tente lembrar o porquê você erra com ela das formas que acontecem e veja se não existe um exagero nesse excesso todo.
Eu não estou dizendo aqui que sempre acertamos em cheio, e sim, perceber o quanto antes o que estamos fazendo de errado antes que seja tarde demais. Antecipar as consequências de nossas atitudes muitas vezes pode salvar seu casamento, seu namoro, seu início de namoro, etc. Não dói, eu garanto!

Gente, vocês não tem ideia do quanto é dolorosa a caminhada para reconstruir o que destruímos por causa de nossos próprios erros. Não é fácil! Leva o dobro e muitas vezes o triplo do tempo. No meu caso quanto mais eu errava, afundava cada vez mais e quando a lama estava no meu pescoço pensei: Deus, mas o que estou fazendo?
Turma, é pra parar e pensar muito no que vocês estão fazendo, porque a barra pesa e podemos chegar a tal ponto que não se consegue mais reerguer ela sozinho! Se quando a gente já errava uma vez é ruim, imaginem 5!

É turma, tenho muita experiência própria, mas errei de diferentes formas, claro. Só que eu a amava demais! Ela representava todas as coisas na minha vida. Gente, errar é humano sim, mas persistir no erro é razão de procurar ajuda. Posso passar por tudo isso numa boa, mas com certeza a lição que a gente tira de tudo isso é pra vida toda. Hoje conto pra vocês pra compreenderem o que é errar, ser possessivo com quem não gosta de ser controlado e aprender a confiar na pessoa. Não quero que ninguém aqui passe por tudo isso pois a cura é longa. Hoje estou pagando por algo que fiz e agora tenho que voltar a reconstruir o meu patrimônio sentimental que um dia foi belo e de todos que eu já tive na minha vida. É como costumo “brincar” com alguns amigos de engenheiro da vida, construí um prédio lindo. Depois de tudo isso vão passar por lá e infelizmente vão ver só ruínas e máquinas tirando todos os detritos do que um dia foi uma das maiores realizações de todas as minhas conquistas, o meu amor verdadeiro!

Esse foi o preço de toda essa epopeia que hoje divido com vocês. Muitas vezes a gente perde porque temos que aprender duas lições sobre essa perda: A primeira é aprender a perder de cabeça erguida e a segunda seguir em frente para sua próxima conquista! Não é o fim do mundo gente, é parecido no inicio, mas não é. Agradeço de coração a presença de todos aqui e espero que nesse nosso primeiro encontro tenham pelo menos tirado algum proveito de tudo isso porque é só o inicio. Nem sempre toda a lição a aprender é fácil. Uma boa tarde a todos e fiquem com Deus!
Obrigado!

E dizer que anos depois voltei a cometer o mesmo erro, mais duas vezes. O que dizer? Um dia volto a falar sobre o assunto. Esse texto foi revisado pois havia linhas que não cabem publicar aqui, mas também não mexi muito pois quis deixar ele o mais próximo do original. Reparem que é muito semelhante a uma palestra, e é. Todos os meus artigos são escritos como se estivesse junto a um auditório. Por isso a imagem de um microfone e o texto ligeiramente longo, mas esclarecedor. Espero que tenham gostado, e as opiniões estão abertas. Fiquem a vontade.

Vou ficando por aqui, até a próxima!

Amante das letras, da música e da fotografia. Criador do site Na Companhia do Café e autor de todos os textos postados aqui.

Pin It on Pinterest

error: Conteúdo Protegido.