Posted in Crônicas

Despedida de Um Velho Guerreiro

Quando nossas ferramentas precisam ser substituídas mas não esquecidas

Despedida de Um Velho Guerreiro Posted on 4 de Março de 2018

Amante das letras, da música e da fotografia. Criador do site Na Companhia do Café e autor de todos os textos postados aqui.

Despedida de um velho guerreiro

Despedida de um velho guerreiro que vai deixar saudades. Chega um momento que precisamos trocar nossas ferramentas de guerra. Nossas batalhas passam por uma constante evolução, chegou a hora de passar o comando.

Não vamos contar aqui toda a história desta maravilhosa ferramenta que me acompanhou por todos esses 4 anos  e 8 meses. Foi numa sexta-feira, 05 de Julho de 2013, estava decidido a comprar um celular novo já que o anterior não dava mais conta do recado. Até aquele dia eu tinha por hábito trocar de celular a cada 2 anos. Minha profissão era muito puxada e exigia performance e grande autonomia de bateria.

Foi quando comprei este genuíno Samsung S4, com boa câmera, ótima tela, leve e com um par de fones de ouvido que fazia você entrar dentro da música. Nunca tive dúvidas nas minhas compras e aquela não seria diferente uma vez que confio na marca. Era meu 5 celular da Samsung.

Esta aquisição não estava preparada para o que viria pela frente e a fábrica adoraria fazer uma análise pois nem eles esperavam que ele durasse tanto. Como gostaria que ele tivesse gravado tudo o que se passou nesta longa caminhada juntos. Por conta de vários motivos, pessoal e profissional, ele passava dias sem ser desligado e muito menos reiniciado.

Diversas situações exigiam o máximo dele e nesse tempo todo deu conta e de sobra. No meu trabalho a tela quase não desligava, eram e-mails, relatórios, ligações de filiais, colegas com dúvidas e assim por diante. Família se resumia basicamente em pai, mãe, namorada e rendiam papo de no mínimo uma hora.

Texto, ligações, Facebook, WhatsApp, Messenger, aplicativos de redes, 2 clientes de e-mails, VPN, SSH, Skype, ufa… Nada disso tirava o fôlego do nosso guerreiro em suas 24 horas diárias on-line. E como se isso não bastasse um belo dia ele passou por uma rara intervenção técnica. 1 ano e 3 meses depois que comprei ele parou de receber chamadas. Algo que até a assistência técnica se admirou. Feito isso, bola pra frente.

Chuva, suor, calor de 45 graus, frio de 2 graus negativos, sol direto, quedas eventuais, bolso apertado, bolsas com diversos objetos cortantes, nada fazia este guerreiro desistir de trabalhar. Pra cada desafio passado agradecia por passar mais um dia juntos. Tudo isso me deixava feliz já que havia passado um ano a mais da duração normal para ser finalmente substituído. Mas sua despedida foi prorrogada pela primeira vez.

Atravessamos uma época difícil, uma fase inesperada chegou e que serviria de teste para nós dois provando nossa força e resistência. Dificuldades financeiras impediram de fazer uma despedida digna para meu guerreiro. Foram necessárias algumas trocas de prioridades e me vi preocupado com a resistência do nosso guerreiro que trabalhava sem reclamar.

Aos poucos os programas em excesso foram pesando tendo que desinstalar já que alguns não eram mais necessários. No fundo sabia que um dia aquela pequena máquina daria sinais claros pedindo sua despedida. Até que um deles apareceu: O wi-fi parou de funcionar!

A solução para aquele problema era aderir um plano de dados mais robusto, no entanto a bateria não tinha mais a mesma autonomia que antes. Todos sabemos que navegar pelo 4G é consumo exponencial de bateria na certa. A capa de proteção já não ficava mais parada juntamente com a película protetora que insistia em querer descolar. Mesmo sabendo que não tinha condições de substituir por uma nova retirei a película assumindo todos os riscos.

Ao ver um vídeo percebo que uma parte da tela trincara e nem mesmo eu acreditava no que via. Nunca na minha vida quebrei algo que não fosse proposital (sim, já quebrei um celular na parede e já me arrependi!). Mas não dei uma importância já que era discreto e não interferia na exibição.

Não bastando ser um simples Smartphone é chegada a fase de câmera de produção cinematográfica. Com uma excelente qualidade de imagem aproveitei o recurso para fazer filmes promocionais. Foi uma glória ver ótimos resultados em telas de gigantes sendo exibidas ao público. Tão bons que meus clientes não acreditavam que foi um celular que gravou.

Um tempo depois um incidente mais grave aconteceu e desta vez foi com a tela. Um descuido de principiante amador quebrou parte da tela. Desta vez apenas para aplicativos básicos é possível de trabalhar com ele. WhatsApp e Facebook passaram a serem os únicos instalados o que deu uma sobrevida de bateria um pouco maior.

Passada a fase ruim, fechamento de ciclos, chegada a hora tão esperada da despedida. A vida é feita de fases e nelas aprendemos a evoluir e aprender usando nossas ferramentas. Elas são como espadas forjadas com o melhor aço e um dia ficam sem fio ou se quebram. Mas ao invés de serem descartadas elas ficam guardadas para manter as memórias das guerras vencidas.

Não foi só um teste de resistência mas sim um teste de humildade. Aprendi que ao invés de reclamar dos desafios passei a agradecê-los. Aprendi a tolerar as adversidades que existem para nos moldar. Agradeci por saber usar as ferramentas que eu tinha e não apenas trocar. Hoje tenho um novo modelo simples e funcional.

Despedida de um velho guerreiro hoje vira realidade.

Esta maravilhosa ferramenta será guardada com muito carinho para eu sempre lembrar de como cheguei até aqui, o que aprendi e a prova do quanto eu evoluí para melhor. Pequenas lições que a vida nos dá para um dia passar adiante. Hoje sigo meu caminho com a certeza de que me tornei mais forte para enfrentar o próximo desafio. E com o que tenho hoje em meu coração a Deus serei eternamente grato.

 

 

Paz e Luz para todos! Até a próxima.

Conheça nossa página no Facebook – Na Companhia do Café

Amante das letras, da música e da fotografia. Criador do site Na Companhia do Café e autor de todos os textos postados aqui.

Pin It on Pinterest

error: Conteúdo Protegido.