Posted in Reflexões

A despedida de Kyara

Uma narrativa de dor e perda.

A despedida de Kyara Posted on 24 de Maio de 2006

Trabalha à mais de 20 anos com T.I. focado nas áreas de infraestrutura de redes, suporte á clientes e desenvolvimento de soluções web. Gosta de músicas, filmes, séries, escrever no blog suas crônicas, pensamentos, opiniões e principalmente fotografias.

0603

Pois é! Mais uma vez errei com minha explosão destruidora! Também pudera, com o susto que levei! Sabe Kyara, eu tenho um ponto em mim que tenho que confessar, é muito difícil controla-lo! Com todas as tentativas de acabar com ele tudo que tenho conseguido é uma tremenda dor de cabeça. Mas isso tem que acabar. Meus sentimentos não mudaram, meu jeito carinhoso de ser não mudou. Nada muda da noite para o dia!

Mas quero que saiba que tudo que falei ontem foi da boca pra fora. Sei que aquele velho deitado não se deixa enganar: Diz o que não deve, ouve o que não quer. O resultado não poderia ser diferente. Mais um mês pode ter sido adicionado ao que podemos chamar de prazo. Mas farei o que você me pediu. Pensarei e refletirei, nada que eu não tenha feito.
Acho que o projeto Novo Emanuel mais uma vez falhou. Mas para tudo tem uma explicação: Te ter longe por tanto tempo é e será sempre o pior castigo. Aquele tigre dentro de mim fica cada vez mais feroz e o que acaba acontecendo? Ele se solta, por mais resistente que seja essa corrente. Talvez se eu o deixar solto desta vez poderá se amansar com a liberdade.

Bom, acho que tenho mais é que ficar aqui. Esperando o tempo passar mais uma vez. Ainda acho que aquela ideia de me congelar está ficando cada vez mais convidativa. Porque quando o tempo tem que passar ele não passa? Porque tem que ser sempre nos nossos melhores momentos que ele tem que passar rápido? Talvez porque eu tenha que passar por isso. Mas tudo bem! Vou sobreviver. Tenho plena certeza!

Ontem depois de falar com você pela última vez deitado em minha cama sentia algo chegando, uma sensação de estar indo para outro lugar. Em minha mente começava a narrar um episódio de um final de guerra, de luta e ao meu lado estava um felino, um puma negro que parecia ser meu amigo, como um grande gato de estimação. Queria deixar aqui para que você lesse. Talvez seja uma descrição de uma dor de igual intensidade que devo ter sentindo em outra vida, talvez. Aquilo veio a minha cabeça de uma forma muito forte.

A minha própria espada acaba de adentrar meu corpo pelas mãos de outro… Meu sangue escorre pela sua afiada lâmina… O brilho do sol se reflete nela… Meu coração bate cada vez mais fraco mas ele não para… o mundo a minha volta vai ficando embaçado… Já não consigo quase nem mais enxergar… Sinto frio… Minhas mãos não conseguem mais firmar a empunhadura dela… Com o que me resta de minhas forças tento tirar ela de meu corpo… Sua lâmina atravessada dificulta a sua retirada… Minhas lágrimas escorrem pelo meu rosto caindo sobre a sua cintilante e longa lâmina de dois cumes forjada pelos deuses a que me confiaram para me defender o meu povo de todo o mau que rondava… seu fio é tão fino que consegue cortar em duas cada gota de minhas lágrimas que cai sobre ela… ao conseguir retira-la de mim meu grito quebra o silêncio da mata fechada… meu corpo vai de encontro ao chão… meu sangue absorvido pela terra… através da grama.. Está cada vez mais frio… vejo meu rosto refletido em na minha espada… meus olhos lacrimosos… de repente uma imagem surge nela…. Uma pantera…. Tão negra como a noite vindo em minha direção… ao chegar bem próximo a mim toco em seu pelo, sua face e reconheço… Kyara… Minha Kyara… Ela deita ao meu lado…. Me olha como se soubesse o que está acontecendo…. Há como vou sentir sua falta… Minha mão sobre meu peito sinto que meu sangue não escorre mais… será meu fim? Porque o mundo simplesmente não me deixa ir? Eis que uma suave brisa acaricia meu rosto… acho que chegou a minha hora… hora de recomeçar de novo… com todo o sangue que me escorreu um novo ressurge… Como uma nova chance…com uma nova esperança… meus olhos se fecham… dou um último suspiro profundo… ao abrir meus olhos… nada há! Então, o que virá? Até mais minha amada… acho que desta vez não vão deixar a gente ser feliz né? Ou será que vão? Sim, temos muito o que aprender meu amor… sei que temos… eu vou ficar bem… só me dê um tempo… um tempo para eu pensar… eu preciso meu amor…. Preciso…. Muito… Conto contigo…

Trabalha à mais de 20 anos com T.I. focado nas áreas de infraestrutura de redes, suporte á clientes e desenvolvimento de soluções web. Gosta de músicas, filmes, séries, escrever no blog suas crônicas, pensamentos, opiniões e principalmente fotografias.

Pin It on Pinterest